Uma semana para Mark e Pedro esquecerem

O 1º viu as ações da sua companhia derreterem nas bolsas, porque os novos sistemas de segurança dos iPhones protegem a privacidade e impedem a propaganda dirigida. O 2º achou que o parlamento engoliria, sem chiar, a reforma trabalhista imposta pela União Europeia.

Por Marcelo Tognozzi*

Minha avó Maria não se cansava de repetir que quando alguém fazia basteira, o castigo vinha a cavalo. Isso era no século 20. Hoje em dia, o castigo vem por fibra ótica, rápido e implacável. Esta semana vimos 2 poderosos serem castigados: o empresário Mark Zuckerberg, dono do Facebook, e o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez.

O 1º viu as ações da sua companhia derreterem nas bolsas, porque os novos sistemas de segurança dos iPhones protegem a privacidade e impedem a propaganda dirigida. O 2º achou que o parlamento engoliria, sem chiar, a reforma trabalhista imposta pela União Europeia. Ledo engano. Tudo acabou numa confusão digna de comédia de pastelão.

Zuckerberg aprendeu a ganhar bilhões de dólares praticando voyeurismo digital. Desenvolveu sistemas capazes de bisbilhotar as vidas dos frequentadores das suas redes sociais, verdadeiras máquinas de fazer dinheiro através da propaganda dirigida. O sujeito fazia um comentário sobre óculos de sol e, como num passe de mágica, anúncios de óculos de sol começavam a aparecer para ele.

Agora, com os novos sistemas desenvolvidos pela Apple que impedem o rastreamento, ou voyeurismo digital, num só dia a firma de Mister Zuck perdeu nada menos que US$ 237 bilhões. Nunca uma companhia americana se deu tão mal de uma só vez. Está mais do que comprovado que Zuckerberg mentiu quando afirmou que não manipulava dados dos seus usuários. Passamos a ter a exata noção de quanto ele ganhava bisbilhotando a vida dos que imaginavam serem suas redes –Facebook, Instagram e Whatsapp– apenas um local de convivência virtual. Até que a Apple e o pregão da Bolsa de Nova York se encarregaram dele.

No caso da Espanha, o premier Pedro Sánchez recebeu de Bruxelas a incumbência de promover mudanças na legislação trabalhista, delegou à ministra do Trabalho, Yolanda Díaz, filiada ao partido de extrema-esquerda Unidas Podemos, a missão de fazer o parlamento aprovar sem esperneios, mas tudo acabou numa 5ª feira de trapalhadas. Dois dias antes da votação do Real Decreto, o governo contabilizava vitória apertada por apenas 3 votos. Acabou vencendo por apenas 1 voto por causa de um gol contra da oposição marcado pelo deputado que votou remotamente e registrou voto sim quando desejava votar não.

O governo ganhou no tapetão, com a decisão da presidente da Câmara dos Deputados Meritxell Batet, ex-bailarina catalã, advogada integrante do núcleo duro do governo do Psoe, de encerrar a sessão sem tomar conhecimento do pedido de retificação de voto do deputado Alberto Casero, do PP, o palerma que acaba de entrar para a história porque apertou o botão errado.

A aprovação do Real Decreto, versão ibérica da nossa MP (Medida Provisória), pelo Congresso foi precedida de muitas críticas. A principal delas: o assunto não fora debatido pelos parlamentares, o que é verdade. O governo Sánchez prometeu a Bruxelas e aos empresários uma aprovação “sem mudar uma vírgula sequer”. Acabou chegando a um impasse e venceu a votação por um golpe de sorte, não por competência política. Eu fico aqui imaginando a cara dos alemães diante do quase desastre espanhol. Esta é a 1ª de uma série das reformas trabalhistas financiadas pelo governo da presidente da União Europeia Ursula von der Leyen e que virão em países como Grécia e Portugal. E outra confusão destas é tudo o que não poderá acontecer.

O quadro partidário espanhol, assim como o português, italiano ou francês, está cada vez mais fragmentado e mais parecido com o do Brasil. Até a Inglaterra não se divide mais entre conservadores e trabalhistas, convivendo com novas forças como o Partido Liberal Democrata, Partido da Independência e o Partido Nacionalista Escocês. Na última eleição alemã, os verdes ganharam terreno e emergiram como a 3ª força eleitoral e somaram com os adversários da ex-chanceler Angela Merkel para formar um governo de centro-esquerda.

A multiplicidade de partidos no parlamento espanhol acabou atrapalhando os planos do governo de meter a reforma goela abaixo da sociedade, sem açúcar e sem afeto. Ocorre que os independentistas da Catalunha acabaram votando contra, assim como os independentistas do Partido Nacional Vasco e os de Navarra. Ao mesmo tempo os centristas de direita do Ciudadanos, partido que já teve seus 15 minutos de glória e hoje vive a decadência, votou com o governo. A extrema esquerda, mesmo aquela que hoje divide o poder com os socialistas, olha o Psoe como um partido de direita, uma esquerda impura. Parece loucura, mas não é. São como escorpiões no bolso de Sánchez.

A Espanha era feliz e não sabia quando o poder se dividia entre duas grandes forças políticas, o Psoe (Partido Socialista Operário Espanhol) e o PP (Partido Popular). Hoje, com a fragmentação, a situação é parecida com a nossa, um governo de coalisão. Este formato já mostrou todas suas imperfeições, sendo a principal delas o favorecimento da corrupção, as negociações espúrias e o loteamento do Estado.

Se aqui Bolsonaro se mantém vivo às custas do Centrão, na Espanha Pedro Sánchez se segura no complicado Unidas Podemos, simpatizante da Venezuela de Maduro, e partidos nanicos de esquerda e de centro, os quais sozinhos não têm relevância, mas ganham seu naco de poder negociando um voto aqui outro acolá.

O vexame do governo Sánchez, que acabou impondo a reforma trabalhista de Bruxelas por causa do gol contra da oposição, é o castigo por acreditar que o dinheiro da União Europeia pode tudo.

A trapalhada de Yolanda Díaz na condução do processo da reforma trabalhista terá suas inevitáveis consequências eleitorais. Com a base rachada, o governo Sanchez dependerá ainda mais de uma esquerda que ainda não saiu do século 20 e dos oportunistas de plantão.

Será um tempo de corda-bamba para os socialistas, que agora terão de se desdobrar em mesuras. Um pouco como o dom Quixote de Cervantes querendo agradar a todos: “bebo cuando tengo gana y cuando no la tengo y cuando me lo dan, por no parecer o melindroso o malcriado”. Já Zuckberger precisará desesperadamente de um drink para esquecer o dia em que perdeu aqueles US$237 bilhões. Aliás muitos drinks. E a ressaca será enorme.

*Jornalista. Texto publicado originalmente no Poder360.

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios detectado

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.