Excesso e inconstância de pré-candidaturas da oposição facilitam projeto político de Fátima

A lista de “possíveis pré-candidatos de oposição” a cada dia fica consideravelmente maior: em 2021 a mídia especulou o nome do prefeito de Natal, Álvaro Dias, que alternou entrevistas afirmando que poderia ser candidato com outras negando qualquer chance de candidatura.

No meio político potiguar atualmente se pergunta em tom jocoso qual será a possível pré-candidatura nova que a Oposição à governadora Fátima Bezerra (PT) colocará no tabuleiro. A piada é compreensível: desde 2021 os grupos oposicionistas enfileiram diversos nomes que, na visão deles, teriam condições de enfrentar Fátima nas urnas na eleição deste ano, mas acabam não sendo viabilizados por razões diversas.

A lista de “possíveis pré-candidatos de oposição” a cada dia fica consideravelmente maior: em 2021 a mídia especulou o nome do prefeito de Natal, Álvaro Dias, que alternou entrevistas afirmando que poderia ser candidato com outras negando qualquer chance de candidatura. No final do ano passado, o deputado federal Benes Leocádio (Republicanos) chegou a se lançar oficialmente pré-candidato e começou uma agenda para viabilizar essa possibilidade. Mas o desempenho pífio nas pesquisas e a falta de apoios sólidos o levou a desistir.

STYVENSON VALENTIM

Nesta sexta-feira, 18, outro nome que muda de ideia com frequência voltou a falar em possível pré-candidatura. Trata-se do senador Styvenson Valentim (Podemos) que, ao Blog do Dina, afirmou que considera disputar o Governo do Rio Grande do Norte no pleito de 2022. O mesmo Styvenson em diversas entrevistas e nas redes sociais nos meses finais de 2021 havia negado qualquer chance de disputar o Governo.

Contudo, embora o capitão da Polícia Militar represente uma candidatura de evidente oposição a Fátima, não é vista com bons olhos pela oposição à governadora, representada pelo bolsonarismo e por grupos político-econômicos. O senador é considerado explosivo e não goza de confiança no meio político, o que dificulta apoios e alianças, além de “travar” costuras como a das candidaturas a vice-governador e ao Senado.

HAROLDO AZEVEDO

Outra pré-candidatura lançada também nas última semanas é a do empresário Haroldo Azevedo, que se filiou ao PP. Desde 2021 Haroldo sonha com este projeto político e tem respaldo de parte da elite econômica potiguar. Contudo, é um ilustre desconhecido para o eleitorado norte-rio-grandense e não vem mantendo agenda política para expandir o leque de alianças.

EZEQUIEL FERREIRA DE SOUZA

O caso da pré-candidatura do presidente da Assembleia Legislativa do RN Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) é o mais enigmático e desafiador. Para parte da mídia potiguar, trata-se de uma pré-candidatura existente e já em fase de viabilização política. Contudo, como já analisado pela agência Saiba Mais, o próprio Ezequiel jamais lançou a pré-candidatura nem reproduziu ou comentou qualquer matéria ou foto referente ao assunto, mantendo um silêncio absoluto sobre o tema.

Silêncio tão poderoso que até o levou a não viajar ao Seridó para receber o presidente Jair Bolsonaro, o que faria com que “queimasse navios” em relação ao Governo Fátima Bezerra, a quem dá sustentação política na ALRN e a quem apoiou no segundo turno das eleições de 2018.

O fato é que a pré-candidatura Ezequiel, por mais que seu nome seja respeitado no universo político e tenha potencial de crescimento, por ora só existe nos sonhos de prefeitos e nas matérias de blogueiros. Jornalistas experientes comentam que seria improvável Ezequiel trocar uma reeleição garantida por uma candidatura arriscada contra uma até agora aliada.

FÁTIMA BEZERRA

Em suma, o excesso de pré-candidaturas (ou pseudocandidaturas) ao Governo (Benes, Álvaro, Haroldo, Styvenson, Ezequiel) ao longo do espaço de um ano faz com que Fátima acabe tendo facilidade para liderar as pesquisas e espaço para mexer peças no tabuleiro político. Uma candidatura sólida de oposição pautada há tempos tornaria mais complicado para Fátima dialogar com MDB e PSDB, por exemplo. No caso de Styvenson e Haroldo refluírem das pré-candidaturas, o que não seria surpresa, levará Ezequiel a uma pressão onde ele terá de sair de seu silêncio. Isso se até tal cenário acontecer não for lançada uma nova pré-candidatura oposicionista. Para alegria de Fátima e do PT, claro.

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios detectado

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.