Regras eleitorais para 2022 tentam fortalecer candidaturas de mulheres e pessoas negras

No Congresso Nacional, por exemplo, mulheres ocupam apenas 15% das cadeiras na Câmara dos Deputados e 14% no Senado Federal.

As regras eleitorais previstas para entrar em vigor em 2022 devem fortalecer a competitividade de candidaturas de mulheres e de pessoas negras. A expectativa é de que estas medidas possam diminuir as desigualdades na representação destes grupos na política brasileira. 

No Congresso Nacional, por exemplo, mulheres ocupam apenas 15% das cadeiras na Câmara dos Deputados e 14% no Senado Federal. Percentuais bem inferiores ao peso que elas têm no eleitorado brasileiro – equivalente a 52,5%.

Esta disparidade também aparece em relação às pessoas negras. Segundo o IBGE, 56% da população se declara negra – ou seja, preta ou parda. Contudo, no Congresso Nacional, parlamentares negros (que se declaram pardos ou pretos) é de pouco mais de 20%

Os instrumentos para mudar essa realidade vão desde regras mais rígidas contra o descumprimento de normas até maior peso destas candidaturas na distribuição dos recursos. Na reportagem de Luana Barros, você confere os detalhes sobre essas medidas.

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncios detectado

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo. Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.